10ª história - Rua Santos Bernardes

Uma das principais ruas da cidade. Bem no centro. Pastelarias, restaurantes, moda, super mercado, farmácia, bancos, seguros .etc, tudo isto  há por ali.
Ainda que bem servida de estacionamento, desde o gratuito ao pago (em parcómetros e  parques subterrâneos), a maioria dos automobilistas  rejeita-os porque é uma estafadeira e daí decorre o estacionamento tipo “não estorva”, com a conivência da PSP
Ao fim de tantos anos de governação, a CM ainda não concluíu que, não estando a corporação policial interessada em cumprir a sua missão, haveria que criar condições de modo a dela prescindir. Não é preciso “ter estudos”, basta ter olhos,  para se poder afirmar que o que por ali acontece tem características terceiro-mundistas.
Ver o que se passa nas cidades vizinhas seria de muita utilidade…
Sendo uma rua em que o trânsito flui num só sentido ( “rua de proibição de inversão de marcha”, * como a CM as baptiza ) façam-se alterações por forma a que delas decorra  a impossibilidade de”bagunçar” por ali. Com meia dúzia de tostões reduz-se o tamanho dos lugares na "biqueira" do estacionamento vertical e colocam-se  pinos (que devem ter esgotado) em frente ao CPP
Numa 2ª fase, ainda com um orçamento de trocos, alterar-se-ia  o estacionamento em frente ao edifício Arandis,  para vertical (ou oblíquo) e colocavam-se pinos no rebordo do exíguo passeio do outro lado da rua.
A ser assim, não tardaria que a inteligente freguesia concluísse que por ali  nada a fazer…
 _______________________________________________________

(*) Também nesta rua é possível confrontar a PSP com a sua ignorância: Se tem o seu carro estacionado verticalmente (de frente ou traseira) e se pretender ir para os lados do Tribunal, não terá necessidade de subir até à rotunda do Hospital, descer a TJP rumo ao Agostinho. Basta-lhe fazer a mesma manobra de saída , descer até à Rua Brigadeiro Neves Costa  e percorrê-la.  Se o polícia o/a  interpelar terá ocasião de lhe dizer que não cometeu qualquer infracção. Com um pouco de paciência poderá elucidá-lo em conformidade…
Sucede que há Escolas de Condução nesta cidade que afinam pelo mesmo diapasão.
Claro que isto só acontece em Torres Vedras.




A 9ª história - Rua Carlos França

Sem qualquer dúvida, a situação que melhor retrata a incompetência dos responsáveis:
O Código de Estrada define regras claras para informar e proibir em termos de sinalização. Vermelho para proibir, azul para informar. É o que se vê por esse país fóra, por essa Europa também. Mas não aqui em Torres Vedras. Esta rua tem a particularidade de proibir e simultaneamente informar. Proibir a inversão de marcha na mesma via, que outra não há, e informar que circular é pra lá e pra cá, sem via marcada  pra utilizar!
Pior não há!!!
Acrescente-se que, após o cruzamento seguinte (rua Brigadeiro Neves Costa) utilizou-se (certamente por engano...) o sinal adequado, curiosamente o 2º em toda a cidade.



A 8ª história - Rua Batalha Reis



Deixo a PSP e a sua rua e vou para a Batalha Reis, de único sentido, do qual nos apercebíamos  ao ver a sinalização depois de nela termos entrado de automóvel. Tardou a rectificação e aí a temos agora com as inevitáveis e  constantes segundas filas em locais proibidos devidamente assinalados. Realce-se o à vontade com que os automobilistas deixam  o carro  junto às passadeiras e a anuência da PSP por tais desplantes.
Por fim, não deixa de ser curioso que os pinos se mantenham ainda no passeio dos Correios, só servindo para umas amolgadelas das portas dos carros...
Esta rua é atravessada por uma outra, de seu nome Carlos França. Dela me ocuparei no próximo post.
E já vão oito!

Entrevista do Sr.Vereador Carlos Bernardes (*)

Finalmente o trânsito e estacionamento deixou de ser um problema tabú para a Câmara Municipal. O Sr. Vereador que coordena o respectivo pelouro falou ao jornal "Rifão Quotidiano" e satisfez a curiosidade dos torrienses, que já começavam a ficar incrédulos.
Aqui fica a entrevista
___________________________________________________________

(*) Esta entrevista, obviamente fictícia, contém elementos retirados de declarações do Sr. Vereador à imprensa.